quarta-feira, dezembro 16, 2009

O que nasceu à manjedoura

Na igrejinha que não está mais lá, mas cá, em nós, seu templo, o presépio a gente fazia. Fim de ano, aquela romaria. Cada um, sua oferenda trazia. Um Menino Jesus de madeira, uma casinha de barro com musguinho, uma pena de passarinho... O espírito natalino florescendo, renascendo em nós, nos enfeitando. Tarde finda, as plantinhas aguava e o presépio crescia dentro da gente... o Menino Jesus nascendo à manjedoura, velado pelo boizinho da cara preta, o cabritinho pulando a cerca e por Maria, mãe de todos. Minha infância foi assim: comunhão da fé na celebração da alma.

4 comentários:

Aline Scarponi disse...

Que lindo, Petros! Que realmente possamos renovar a presença do menino Jesus dentro de nós sempre!

Anônimo disse...

"e opresépio crescia dentro da gente"
Bela e tocante oferenda...
Ana Coeli

Anônimo disse...

passei para reler seu belo texto de natal, você constriu um lindo presépio em nós... Obrigada pela beleza.
Muita Luz neste Natal
Ana Coeli

(¯`·._.·[***Celina***]·._.·´¯) disse...

Apesar de atrasada não me esqueci de vc. Te desejo um super 2010.
Bjo no coração.