terça-feira, abril 06, 2010

Amigo espantalho

O ano começou de horta nova. Couve, cebola, alface, todos germinados. Alguém pensou em espantalho: palavra mágica!.. saímos nós pelo terreiro. Do galho da castanheira fizemos o corpo, braço e pescoço. No coco, a sobrancelha pintada. Vô, da cozinha, observava. Nós ali o dia inteiro, festeiro. Nascia o espantalho. Vô se aproximou com um chapéu furado e um paletó apertado. O espantalho feliz que só. Ficou tão lindo que o sabiá em seu braço o canto ensaiava. Depois de dias idos, descobrimos pela fresta do chapéu um ninho de pombinha com dois ovinhos... felicidade danada. A vida é assim: quando tem sentimento, até o que assusta aproxima.

3 comentários:

Aline disse...

Madura constatação em simplicidade infantil!

Anônimo disse...

Que beleza!O que escreves também aproxima...
Luz
Ana Coeli

sandra Freitas disse...

Oi, vi seu rostinho em meio aos meus amigos e vim te visitar. Adorei seu blog..será sempre bem vindo no meu..
O texto é lindo e o final surpreendente...amei..
abraços